Alterações no ciclo menstrual

Compartilhe este post

Alterações no ciclo menstrual não são comuns

Você tem observado seu ciclo menstrual? Saiba que ele pode te alertar se há algo de errado, fatores como duração e fluxo podem e devem ser observados para que, caso haja irregularidades, o médico seja consultado. No texto a seguir você verá algumas situações que podem alterar o ciclo menstrual de uma mulher.

 

Quanto tempo dura o ciclo menstrual em média?

O ciclo menstrual nada mais é do que o intervalo de tempo entre o início de uma menstruação e a menstruação seguinte. O sangramento considerado saudável é aquele mais escuro nos primeiros e últimos dias, sendo líquido e sem aspectos de coagulação, que é quando o sangue vem em “pedaços”.

 

Os ginecologistas reiteram que as mulheres devem adotar o calendário menstrual para que possam ter certeza dos dias de seu ciclo e descobrirem seu período mais e menos fértil, assim será possível analisar se, de fato, o ciclo está ou não alterado.

 

A média de tempo de um ciclo menstrual para o outro é de 28 dias, qualquer quantidade de dias superior a 35 dias e inferior a 25 é considerada irregular. Após a menarca (primeira menstruação), que ocorre, em média aos 11 anos de idade é comum que o ciclo menstrual demore para se regularizar, com ciclos mais curtos e outros mais longos, com fluxos mais intensos que outros, mas é normal que isso se altere na fase adulta? A resposta é não. Problemas como estresse, má alimentação, mudanças de rotina, perda ou ganho de peso em um curto período, excesso de exercícios físicos, fumo, consumo excessivo de álcool, uso de anticoncepcionais (como o DIU de cobre) e outros medicamentos podem ocasionar alterações no ciclo menstrual da mulher, isso, claro sem mencionar a gravidez.

 

Quais problemas afetam a menstruação?

Além desses problemas, algumas patologias podem causar alterações no ciclo menstrual. Conheça algumas a seguir.

 

Síndrome do Ovário Policístico:

Uma delas é a síndrome do ovário policístico, que é uma doença que pode afetar até 20% das mulheres, além da irregularidade menstrual, surgimento de acne, crescimento de pelos faciais, depressão e infertilidade também são sintomas, frequentemente a SOP está associada a sobrepeso ou obesidade e quadros de pré-diabetes e diabetes.

 

Menopausa precoce:

Outro fator que pode afetar o ciclo menstrual da mulher é a menopausa precoce, que ocorre quando a mulher com menos de 40 anos para de menstruar por um período superior a um ano. Isso acontece porque os ovários param de ovular em intervalos regulares e sua capacidade de produzir hormônios diminui.

 

Amenorreia:

A Amenorreia é a ausência da menstruação que pode ocorrer de duas maneiras: a primária, que se manifesta através da ausência de sangramentos entre 14 e 16 anos, que dependerá de características físicas como a presença de pelos pubianos e desenvolvimento das mamas, neste caso, defeitos congênitos no sistema reprodutor, problemas hormonais podem ocasionar o atraso do sangramento. A segunda ocorre quando a menstruação já ocorreu no período normal, mas se ausentou durante alguns meses.

 

Os sintomas mais comuns relacionados á amenorreia são: fortes dores de cabeça, acne, falta de lubrificação vaginal, crescimento de pelos corporais mais intenso que o normal, aumento dos seios, alterações na voz e cólicas recorrentes, mas sem sangramento, qualquer mulher pode ter amenorreia mesmo sem saber, já que a doença também pode ser assintomática.

 

O que pode afetar o fluxo menstrual?

Agora falando sobre o fluxo menstrual, miomas uterinos (tumores benignos formados por tecido muscular) também podem alterar o ciclo menstrual da mulher. Eles acometem, em sua grande parte, mulheres em idade reprodutiva, ou seja, mulheres que menstruam e podem engravidar. Eles não possuem causas conhecidas, todavia sabe-se que seu crescimento dependerá de fatores hormonais. Na maioria das vezes não apresentam sintomas, mas podem ocasionar um aumento no fluxo menstrual da mulher, podendo causar anemia, é importante destacar que o inchaço abdominal é outro sintoma bastante comum, assim como a dor pélvica, constipação, compressão dos vasos pélvicos e retenção de urina.

 

Miomas:

Miomas podem ocupar qualquer posição no útero sendo que, quanto mais próximos da parte central, mais a capacidade reprodutiva da mulher será afetada, podendo levar a abortos. Seu tratamento é individualizado, pode ser realizado por meio de medicamentos ou cirurgia (podendo ser apenas a retirada o mioma ou retirada do útero), tudo dependerá do estágio em que o mioma se encontra na paciente.

 

Adenomiose:

Outra situação que pode alterar o fluxo menstrual é a adenomiose, que é uma condição na qual o tecido endometrial cresce na parede uterina. Ela ocorre com mais frequência no final do período fértil e, às vezes, pode causar sangramento menstrual intenso e prolongado, fortes cólicas, prisão de ventre, inchaço da barriga e dores durante as relações sexuais e coágulos sanguíneos durante a menstruação. Seus sintomas costumam aparecer após a gravidez, de 2 a 3 anos após o parto e desaparecem após a menopausa. Alguns medicamentos podem ser utilizados como forma de tratamento, porém a única cura é a histerectomia (remoção do útero) que é recomendada caso os sintomas não sejam controlados pelos anti-inflamatórios e pelos hormônios.

 

Endometriose:

Embora seja uma condição relativamente comum, pouco se fala sobre os sintomas da endometriose, a doença também afeta a menstruação devido à presença do endométrio que, ao invés de ser eliminado através dela, migra e causa inflamações e lesões em outros órgãos, como os ovários, o intestino, a bexiga e as tubas uterinas. A endometriose não possui causa conhecida, mas pode estar relacionada a fatores genéticos. Seus principais sintomas são: dor pélvica intensa, fortes cólicas, e dores durante a relação sexual, podendo haver, também, sangramentos intestinais e urinários durante a menstruação. Mulheres com endometriose podem apresentar sangramentos mais intensos do que o usual durante a menstruação, podendo vir em “pedaços” e com a coloração do sangue mais escura. Vale ressaltar que a endometriose pode causar infertilidade, porém existem tratamentos que podem reverter o quadro, possibilitando uma gestação.

 

Não deixe de consultar seu ginecologista frequentemente, caso seu ciclo menstrual esteja alterado, ou apresente qualquer um os sintomas citados acima, procure atendimento imediato. A Clínica Yasmim oferece um atendimento humanizado com profissionais qualificados prontos para te receber.

Mulher realizando um ultrassom vascular
Blog

Ultrassom Vascular

O ultrassom vascular é um dos meios de detectar alterações no sistema vascular. As doenças vasculares são todas aquelas que atingem o sistema venoso ou

Ultrassom das vias urinárias é realizado em homem.
Blog

Ultrassom das Vias Urinárias

Ultrassom das vias urinárias detectam sérios problemas de saúde Consideradas potencialmente graves, as doenças renais são condições que afetam o funcionamento normal dos rins. De